Rodolfo Lucena

+ corrida

 

Cara e coragem

Eleonora Mendonça

Eleonora Mendonça

A desbravadora

Ela conta nos dedos os dias em que ficou sem correr, desde os idos de 1972. E seus passos fizeram história, das ruas do Rio à pista do Coliseu de Los Angeles. Eleonora Mendonça foi a representante do Brasil na primeira maratona olímpica feminina, que ela, como corredora e militante, havia ajudado a tornar realidade (na foto, acena depois de participar da prova, em Los Angeles-84). Como empresária, fez deslanchar a maratona no Rio de Janeiro e organizou, em São paulo, a até então maior corrida feminina do mundo.

Hoje, aos 57 anos, está aposentada de sua vida de atleta e mestra (foi técnica e professora em universidades dos EUA por 20 anos), mas continua correndo diariamente pelas ruas e trilhas da praiana Cape Cod, nos EUA, de onde concedeu, por telefone, esta entrevista exclusiva.

Para melhor apresentação, dividi o texto em quatro trechos colocados em seqüência. No final, não deixem de ver também um anúncio dos anos 80, que ajuda a dar a dimensão da importância dessa militante do esporte e do feminismo, que neste mês é merecidamente homenageado.

Folha - Como você começou sua vida esportiva?

Eleonora - O esporte, para mim, foi, sempre foi e continua sendo uma parte importantíssima na minha vida, desde pequena, com apoio dos meus pais. Depois, sempre fui atleta do Fluminense. Nas escolas, sempre participei em esportes e na universidade também. Meu esporte foi muito diversificado: fiz voleibol, nadei, mas tênis foi aquela dedicação maior, primeira. Fui vice-campeã brasileira, participei de Sul-Americanos de Tênis. Foi uma curta, porém muito importante fase da minha vida.

Folha - Isso com que idade?

Eleonora - Joguei tênis desde os 12, 13 anos. Joguei muito aí em São Paulo, no Pinheiros. Foi uma época muito feliz. Até no meu último ano de universidade estava ativamente jogando tênis. Mas tive um acidente na universidade, estava fazendo educação física e ‘ferrei‘ o meu joelho. Naquela época, 40 anos atrás, não tinha muitos recursos. Então, fiquei debilitada para continuar naquele nível alto que eu estava buscando no tênis. Na mesma ocasião, quando eu estava terminando a faculdade, ganhei uma bolsa para os Estados Unidos para fazer mestrado em educação física. Isso foi em 1971/72.

Folha - E aí que você começou no mundo da corrida?

Eleonora - Em 1972, foi a época da Olimpíada de Munique. Eu acompanhei, fiquei muito impressionada com o evento, a ação terrorista. Ao mesmo tempo, por estar nos Estados Unidos, foi um evento muito glorioso para o país porque o Frank Shorter tinha ganho a medalha de ouro na maratona. Foi o início, como se diz, o estopim para o ‘boom‘ de corridas aqui nos Estados Unidos. Como eu estava aqui, comecei a correr.

Estava buscando uma alternativa para continuar envolvida no esporte. Quando você tem 22, 23 anos, a natação já não é uma alternativa, pois é uma idade em que a maioria dos nadadores está se aposentando. Mas, na corrida, o Frank Shorter naquela época tinha 25 anos. Eu falei: ‘Poxa, talvez seja o esporte em que eu possa buscar uma carreira‘.

Comecei a correr. Retornei ao Brasil depois de terminar o mestrado e continuei minhas corridas. No Fluminense, o técnico de atletismo Frederico Hottstacher, que foi durante muitos anos técnico de atletismo no Fluminense e da seleção brasileira, me chamou para correr. Ele iria me treinar para o sul-Americano de atletismo, onde iria haver pela primeira vez a prova de 1.500 metros feminino. Até então, 800 metros era a distância máxima para as moças.

Aceitei treinar e, após quatro meses, participei das eliminatórias em São Paulo, no clube Pinheiros. Foram alguns meses, dois, três, quatro meses e competi nessa prova, venci a prova abaixo de cinco minutos. Como estava sendo corrida pela primeira vez, a prova passou a ter minha marca como recorde brasileiro, com 4min58.

Gostei dessa experiência, corri mais um ano no Brasil a prova de 1.500 metros, depois retornei, em 74, aos Estados Unidos para retornar aos estudos em Direito e, ao mesmo tempo, tive uma oferta de trabalho.

Folha - Foi quando você começou na maratona?

Eleonora - Fui para Boston e, como você sabe, Boston é a meca de corridas, principalmente, corridas de longa distância, maratona. Comecei a expandir a minha experiência, o meu treinamento, além da pista, além dos 1.500 e 3.000 metros.

Comecei a treinar e competir em cross e, eventualmente, a pensar em correr a maratona.

Minha primeira experiência na maratona foi em 76 aqui mesmo em Boston. E, naquela época, como ainda acontece hoje, para participar da maratona de Boston tinha que se qualificar. Corri uma maratona três ou quatro meses anteriormente, aqui mesmo perto de Boston e corria maratona de Boston. Foi uma experiência excepcional...

Folha - Excepcional por quê? O que a maratona tinha?

Eleonora - Ah, porque eu estava treinando havia três, quatro, cinco anos em provas mistas, em provas de curta distância, e de repente entrei nesse treinamento e uma competição totalmente diferente. Para mim, marcou muito. Eu falei: ‘É aqui que eu quero ficar: treinando em maratona‘. Eu me encontrei em corridas de longa distância e corridas mais longas, como a maratona.

Folha - E como foi seu desempenho na prova?

Eleonora - Foi bom, foi muito bom. Eu cheguei, não me lembro agora, imagino nos dez primeiros lugares. Corri novamente em 77 e em 78. Este talvez, tenha sido o ano mais glorioso, eu não sei se é a palavra certa para mim, quando eu cheguei em sétimo lugar na maratona de Boston e em quinto lugar na maratona de Nova York. Esse quinto lugar em Nova York é ainda a melhor colocação de uma brasileira, com 2h48min45.

Esse tempo, naquela época, me colocou entre as 15 melhores do mundo e me levou a outros eventos na Europa, no Japão.

 

 

 

Escrito por Rodolfo Lucena às 07h46

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Eleonora Mendonça - parte 2

Eleonora Mendonça - parte 2

Quebrando tabus

Folha - Nesse período, você estava competindo profissionalmente?

Eleonora - Naquela época, eu estava trabalhando na fábrica de calçados esportivos New Balance. Naquela época, a empresa estava sentindo que a corrida estava tendo um boom. Numa atitude muito capitalista, muito empresarial dos Estados Unidos em geral, e, principalmente, de Boston, as firmas davam esse apoio para quem tinha talento. Ofereciam a oportunidade para o atleta trabalhar e, ao mesmo tempo, ajudar essas firmas a se desenvolverem nesse mercado. Ofereciam tempo para viagens, competições e treinamentos. Então, foram três anos de desenvolvimento muito fértil.

Folha - Você conseguia até competir no Brasil...

Eleonora - Em 76, fiquei ciente de que a São Silvestre, no ano anterior, em 75, tinha aberto para corredoras. Eu entrei em contato com a organização da São Silvestre e fui competir. Foi o primeiro ano que eu competi na São Silvestre e continuei competindo até 88. Tirei em segundo lugar em 78, quinto, lugar, sétimo lugar, subi duas ou três vezes ao pódio, naqueles primeiros anos.

Nessa época, eu via uma diferença muito grande no desenvolvimento que estava ocorrendo nos Estados Unidos e a falta de desenvolvimento ou então essa parada, essa estagnação no Brasil em relação à corrida. Então, eu resolvi trabalhar, iniciar um movimento de base, para ver se o povo, eu pudesse ajudar esse movimento de corrida no Brasil.

Soube que, no Rio, havia uma corrida de veteranos e, como eu estava trabalhando ainda para a New Balance, levei para o Brasil alguns calçados, algumas roupas da New Balance para oferecer como prêmio e foi muito bem recebido. O Yllen Kerr, eu o Paulo César Teixeira resolvemos abrir uma firma para tocar esse movimento para frente e o nome da firma era Printer.

Folha - Printer?

Eleonora - Printer - Promoções Internacionais. Em 78, nós fizemos a primeira corrida, em junho de 78, a Corrida de Copacabana. Depois o movimento começou a crescer, fizemos corridas para veteranos, corridas para crianças.

Entrei em contato com a Avon, que, naquela época, nos Estados Unidos estava fazendo o circuito de corridas femininas. Convenci a Avon a estender o circuito feminino para o Brasil e levamos esse circuito para o Brasil (na foto, Eleonora no segundo lugar, no pódio, em uma corrida Avon no Brasil).

Começamos pelo Rio de Janeiro e dois anos depois fizemos a maior corrida feminina do mundo. Foi realizada aí no Ibirapuera, em 1984, com mais de 5.000 atletas. Foi um sucesso incrível.

Além de corridas, confeccionamos roupas de corridas que, naquela época, não existiam no Brasil. E começamos a publicação da primeira revista de corrida no Brasil, chamada ‘A Corrida‘.

Creio eu que esse passo inicial que nós demos ajudou a despertar nas pessoas esse gosto, essa forma de viver, de integrar a atividade física no dia-a-dia de cada um.

Ao mesmo tempo que eu estava trabalhando nesse programa de desenvolvimento, eu continuava competindo nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia, mas estava faltando uma coisa.

Eu estava bem resolvida na maratona, que foi uma experiência muito valiosa e onde eu estava concentrando minhas energias, mas faltava a maratona nas Olimpíadas. O sonho de todo atleta é almejar aquela competição máxima. Quando você é tenista você almeja jogar em Wimbledom. Você é um atleta, sonha com as Olimpíadas e não havia maratona olímpica feminina.

Folha - Qual era a justificativa para que não houvesse?

Eleonora - Havia uma mentalidade antiga no Comitê Olímpico Internacional, que achava que as mulheres não tinham capacidade. Aqueles tabus de que a corrida longa, essa batida, essa pressão traria danos para o sistema interno feminino.

Foi por isso que nós, da comunidade intelectual não só americana mas também internacional, estávamos tentando mudar um pouco essa mentalidade do Comitê Olímpico.

No final dos anos 70, foi criado o IRC - International Runners Committee, com representantes do mundo inteiro, não só na área de atletismo mas esportistas em geral, especialistas da área médica, da psicológica, para fazer estudos e levar ao Comitê Olímpico para mostrar que o que eles pensavam não era exatamente a realidade. Em 79, eu fui eleita presidente desse comitê.

Nós lutamos muito, buscando dados e estudos para provar que a mulher tinha condição de correr a prova de longa distância.

Em 81, o Comitê Olímpico, finalmente, aprovou não só a maratona mas também os 3.000 metros feminino na Olimpíada.

Para mim, foi uma vitória muito grande, através do esforço não só meu mas de vários colegas na parte do esporte, na parte médica, psicológica, de várias áreas, foi uma vitória muito significativa.

A primeira maratona olímpica seria a de 84, em Los Angeles. Então, desse marco de 81, comecei a redirecionar minhas energias, meu tempo para ver se eu conseguia fazer a marca para participar.

Escrito por Rodolfo Lucena às 07h40

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Eleonora Mendonça - parte 3

Eleonora Mendonça - parte 3

Caminho suado

Folha - Como o Brasil selecionou seu representante?

Eleonora - Acho que a decisão pegou o Brasil muito despreparado. A CBAt, creio eu, não tinha uma norma de como iria se exibir, iria representar. Eles, inclusive, ficaram muito vagos se, realmente, iam mandar uma representante para as Olimpíadas. Em 1983, haveria o Campeonato Mundial, e dentro dos meus planos era me qualificar para o Mundial, já em preparação para a Olimpíada, que seria realizada no ano seguinte.

Entrei em contato com a CBAt para saber qual seria o critério para eu me qualificar para o Mundial, e eles também não tinham estabelecido nenhum critério.

Por causa dessa atitude vaga, eu participei da eliminatória para o Campeonato Mundial nos Estados Unidos, tentando, pelo menos, se eu me qualificasse e fizesse um bom tempo aqui nos Estados unidos, talvez, demonstrasse para eles que eu tinha as qualidades para poder representar o Brasil. A eliminatória foi em Los Angeles fiz abaixo de três horas.

Dois dias depois de participar dessa maratona, recebo uma comunicação de Hélio Babo, presidente da CBAt, dizendo que a seletiva brasileira seria a maratona Atlântica Boa Vista, no Rio de Janeiro, um mês depois...

Folha - Você teria apenas uma mês...

Eleonora - Naquela altura, eu não podia nem questionar, acho que as energias eram mais para poder me recuperar. Fui para o Rio, corri a maratona, venci a maratona, mas...

Naquela época, não tinha ninguém assim de muito nome, porque em 83 ainda estão começando, a maratona era um nenê, principalmente, na parte feminina. Eu corri, mas, infelizmente, apesar dos dois resultados, eles acharam uma forma e aleatoriamente disseram que com o meu tempo eles não iriam me enviar.

Folha - Eles decidiram não mandar representante para o Mundial de Helsinque, foi isso?

Eleonora - Exatamente. Fiquei muito decepcionada. Quando a CBAt não oficializou, foi uma decepção. Foi, talvez, uma das maiores decepções que eu tive, mas não foi por isso que eu parei, que eu deixei de lutar. Acho que aí me deu mais forças ainda para continuar lutando.

Folha - O que você fez?

Eleonora - A maratona que serviu como eliminatória tinha apoio do "Jornal do Brasil", que, apesar de eu ter sido recusada, me enviou para Helsinque para, pelo menos, eu fazer parte desse evento. Infelizmente, não como atleta, como eu gostaria.

No correr do ano, fiquei em contato com a CBAt para saber qual seria o critério de seleção para a Olimpíada. Finalmente, em abril de 1984 (os Jogos seriam em julho/agosto), eles disseram que, novamente, a Atlântica-Boa Vista, com o apoio do ‘JB‘, seria eliminatória. Então, eu fui, participei da corrida, venci em 2h54, se não me engano, ou 56min. O Elói Schleder venceu na parte masculina. Mesmo assim, a CBAt ficou muito indecisa de me enviar.

Folha - Ela ficou indecisa com base em quê?

Eleonora - A única razão que pode ser é que o papel deles não estava sendo cumprido e sim, através da Printer, que eu estava levando. E o "Jornal do Brasil", vendo que já era a segunda vez que a CBAt não endossava uma competição em que eles tinham investido muito dinheiro, eles estavam se sentindo, também, prejudicados. Fizeram pressão para a CBAt tomar uma decisão e, finalmente, duas semanas depois dessa prova, eles levaram a vencedora da eliminatória para a Olimpíada. Então, foi suado, foi suado esse caminho todo para chegar até Los Angeles.

Folha - E como foi Los Angeles?

Eleonora - Foi uma vitória profissional, pessoal e desportiva enorme, foi uma realização magnífica. Uma experiência indescritível (na foto, a chegada no Coliseu de Los Angeles).

Folha - O que você lembra do dia da maratona olímpica?

Eleonora - O dia em si foi um dia muito quente e úmido também. Creio que eram 60 as participantes, mas de 12 a 15 desistiram da prova. As condições em Los Angeles, naquele dia, estavam muito desfavoráveis...

Folha - Todos se lembram da figura de Grabriela Andersen chegando...

Eleonora - Ela já tinha tido problemas semelhantes anteriormente, uma questão dela mesma. São pessoas que são assim mais suscetíveis a temperaturas mais baixas ou temperaturas mais altas. Naquela época, ela estava morando Idaho, que é um Estado do norte dos Estados Unidos, muito frio e muito bonito. Ela já tinha tido esse problema em outros eventos, não vou dizer exatamente a maratona.

Eu estive com ela naquela tarde mesmo porque o Brasil ficou no mesmo alojamento da Suíça. Nos ficamos no campus da Ucla, a Universidade da Califórnia em Los Angeles, onde ficaram as delegações menores. As maiores, como EUA e Canadá, ficaram no campus da U.S. University of California.

Então, eu já a conhecia e conversei com ela depois, ela já estava bem. É sempre um momento para impressionar, mesmo para quem não conhece. É um momento assim meio terrível, mas, graças a Deus, ela se recuperou bem.

Folha - E como você se sentiu?

Eleonora - Foram duas semanas de emoções. Não posso nem descrever o momento. O que eu estava sentindo ali era o fruto de trabalhos de anos não só como atleta, mas como uma pessoa que lutou para que esse evento pudesse ser realizado.

Não tem uma maneira de descrever. São sentimentos, sentimentos são difíceis de descrever. Quanto mais profundo, mais difícil fica. Mas, não resta dúvida que foi o clímax, os dias mais gloriosos...

O que vale é a competição, vale aquele evento, aquela corrida, mas a maior satisfação é o treinamento que veio por trás, o esforço todo. É essa parte que vai te levar à frente. Então, valeu o movimento. Quando eu atravessei a linha de chegada, foi aquela alegria, entendeu? Estou em felicidade total.

Escrito por Rodolfo Lucena às 07h29

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Eleonora Mendonça - final

Eleonora Mendonça - final

Corrida, eu recomendo

Folha - A participação olímpica teve algum impacto posterior na sua carreira ou na sua atividade esportiva de modo geral?

Eleonora - Teve. Logo após a Olímpiada, não só eu como todas as outras mulheres abriram um caminho muito grande. Os eventos aumentaram, os convites também, por causa das firmas, as empresas, estavam vendo que abriu uma outra visibilidade., Até os telespectadores, as pessoas estavam muito cientes de que esse evento é um evento bonito, um evento diferente, e as mulheres estão agora correndo como os homens.

Folha - Depois disso, você continuou competindo?

Eleonora - Continuei participando de outras provas, não só de maratonas, mas corridas de meia distância. Sempre meia distância e longa distância e nunca mais voltei para a pista.

Eu fiquei de olho para a Olimpíada de 88, em Seul.

No ano anterior, teve o Mundial em Roma. A CBAt já estava um pouco mais organizada e o critério era o melhor tempo brasileiro em qualquer maratona até 30 de junho.

Eu participei de uma maratona aqui nos Estados Unidos, fiz o melhor tempo de uma brasileira naquele ano, mas no dia seguinte baixaram meu tempo, nem me lembro quem foi (NR.: A representante brasileira na maratona do Mundial de 1987 foi Angélica de Almeida, que não completou a prova).

Aí eu voltei, bom, como atleta: levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima. Tratei de treinar mais, treinar mais forte.

Em abril de 88, papai faleceu. Foi uma passagem muito difícil para mim porque os dois, meu pai e minha mãe, deram uma força muito grande na minha vida profissional, atlética, mas muito próxima. E daí eu deixei de almejar a Olimpíada.

Continuei treinando, mas aos poucos fui deixando a parte de competição atlética. Comecei a me dedicar à parte profissional, deixei a Printer também e comecei a passar mais tempo aqui nos Estados Unidos. Fui técnica de atletismo numa universidade, a Simmons, passei 20 anos como técnica. Também dei aulas em Cambridge, então é isso.

Folha - E hoje?

Eleonora - Hoje corro todos os dias. Eu posso contar, acho que nas duas mãos quantos dias eu deixei de correr desde 1972. Há uns anos atrás eu diria uma mão só, mas agora... Foram poucos os dias, uns dois ou três dias na época da morte do meu pai e mais alguns. Antigamente, a gente corria no próprio aeroporto. A corrida faz parte e creio eu vai sempre fazer parte do meu dia-a-dia (na foto, ela corre com o logotipo de sua empresa de então, em uma prova em Copacaba, em 1983).

Folha - Você faz parte de um clube de corridas?

Eleonora - Exato. Esse clube foi o primeiro com que eu entrei em contato quando eu cheguei a Boston, em 1974. É o CSU, Cambridge Sports Union. Eles me acolheram de forma excepcional, me deram uma força incrível. Logo que eu comecei a despontar como atleta, eles me enviaram para a Alemanha, na primeira maratona feminina internacional.

Folha - Em Waldniel...

Eleonora - Exatamente, ela foi organizada pelo Dr. Van Aaken. Ele era um corredor e sofreu um acidente. Quando estava treinando, numa noite, foi atropelado por um carro e ficou paralítico. Com o dinheiro do seguro, ele organizou essa corrida. Ele sempre foi um grande apoiador do esporte e das mulheres. Foi o treinador da Christa Valensieck, que venceu a primeira São Silvestre feminina, em 75.

Bem, hoje continuo sócia do clube. Em 2002, eles me colocaram no Hall da Fama, foi uma homenagem muito bacana.

Folha - E profissionalmente?

Eleonora - Bom, agora, depois de 20 anos, me aposentei lá de Cambridge, da universidade. A palavra aposentada significa deixar um trabalho do qual você depende para fazer um trabalho que você gosta. Então, eu estou trabalhando com investimentos imobiliários e no meu tempo livre eu sou voluntária da Cruz Vermelha americana e de outras instituições aqui.

Folha - Para terminar: que mensagem você daria a mulheres que estão pensando em começar a correr ou fazer algum tipo de atividade física?

Eleonora - Eu acho que todo início de atividade física é um pouco difícil, mas os valores, os resultados são tão grandes, que nós, ainda agora, não temos idéia da extensão desses benefícios atléticos.

As mulheres de 20, 30 anos, que participam ativamente da vida profissional, para elas a atividade física é importantíssima para manter uma qualidade de vida saudável.

Não só para as mulheres, para os homens também. Mas os homens já tiveram essa oportunidade e já têm essa oportunidade há muito mais tempo. Eu acho que as mulheres deveriam tentar incorporar qualquer atividade física, não precisa ser a corrida.

A corrida, logicamente, é muito mais livre, muito mais independente, você não depende de ninguém e de nada. Você coloca o tênis, não importa qual a roupa que você vista.

Coloca o tênis e é só abrir a porta, a qualquer hora do dia, em qualquer lugar. Essa independência ajuda muito na escolha da corrida como atividade física. Eu recomendo as pessoas tentarem.

Não é fácil, é preciso uma orientação profissional para facilitar esse trânsito para uma atividade não mais confortável, mas mais bem recebida porque os benefícios são enormes, são imensuráveis.

Escrito por Rodolfo Lucena às 07h24

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Eleonora Mendonça

Eleonora Mendonça

Memória

Esse anúncio, publicado nos anos 80 nos Estados Unidos, ajuda a dar uma dimensão do trabalho realizado pelo Comitê Internacional de Corredores (IRC, na sigla em inglês), que foi presidido por Eleonora Mendonça.

Escrito por Rodolfo Lucena às 07h17

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Rodolfo Lucena Rodolfo Lucena, 54, é ultramaratonista e colunista do caderno "Equilíbrio" da Folha.

BUSCA NO BLOG


RSS

ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.