Rodolfo Lucena

+ corrida

 

Tênis e trecos

Espírito natalino

Espírito natalino

Lojas para corredores

É bem recente, no Brasil, o aparecimento de lojas específicas para corredores. Em geral, temos de torcer para que tradicionais vendedoras de tênis, como a WorldTennis, tragam calçados para nossos pés que supinam, pronam ou marcham numa boa.

Mas São Paulo já tem pelo menos duas redes voltadas para nossas necessidades. São a FastRunner e a Velocitá Sports. Ambas têm grande variedade de produtos, muito além dos tênis específicos. Em ambas sempre fui bem atendido, mas raramente comprei alguma coisa, porque essas lojas, localizadas em regiões nobres da cidade, são meio careiras. Mesmo quando fazem promoções, seus preços não ficam muito distantes dos encontrados em lojas tradicionais. Às vezes alguém pode dar sorte, especialmente quando se trata de calçado de coleção anterior.

Isso também vale, infelizmente, para as megalojas, como a Decathlon e a Centauro. A vantagem desta última é estar presente em vários shoppings, mas o atendimento é mediano, quase cada-um-por-si. Já a Decathlon, lááá na zona sul, merece ser visitada pelo menos uma vez, porque é um play-ground para esportistas em geral. Corredores, em particular, podem se sentir um pouco escanteados, com os produtos colocados em alamedas mais distantes do centro da loja. Os preços, apesar da enormidade da cadeia (que é tida como a maior especializada em esportes no mundo), são regulares para altos. As promoções são atraentes, ainda que de coisas que você nem sempre esteja precisando. Os tênis, porém, estão rotineiramente a preços de mercado. O atendimento é praticamente inexistente, e as filas no caixa, especialmente nas manhãs de sábado, são muito desagradáveis.

Se você quer só um tênis e pronto, uma boa dica é a loja do Teru. Ele tem um endereço tradicional no Tatuapé e abriu há cerca de um ano uma loja na avenida Brigadeiro Luiz Antonio, 3.750 (tel. 3885-2746), perto do Ibirapuera. O atendimento é muito bom e os preços são bem razoáveis.

Há ainda as pontas-de-estoque. Nunca fui na da Nike (Rodovia Presidente Dutra, km 230 loja 15, Guarulhos - SP, tel. 6425.0245), então não vou comentar. A da Reebok é, para dizer o mínimo, fraca. A da Adidas é melhor, com a vantagem de ficar em local de acesso mais fácil (esquina da Teodoro Sampaio com João Moura, em Pinheiros).

Pela internet, uma boa opção é a IronMan, de Curitiba. Há outras, com a NetShoes, mas nunca testei.

Agora, quem gosta dos tênis Saucony e dos ótimos Brooks vai cortar um dobrado. Não lembro de ter visto essas marcas em nenhuma das lojas que citei. Mesmo os New Balance são relativamente raros.

Quem pode comprar ou encomendar a compra no exterior deve fazê-lo, pois os preços são muito mais baixos. Se você for viajar, pesquise antes na internet para encontrar pontas-de-estoque ou grandes lojas para corredores. Mesmo em lojas convencionais, os preços são bem inferiores. Nos Estados Unidos, comprei por US$ 90 um tênis top de linha que aqui custa R$ 500. E, num outlet, paguei US$ 49 num menos anunciado, mas tão bom quanto qualquer outro.

Escrito por Rodolfo Lucena às 11h04

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Nimbus VIII

Nimbus VIII

Incômodo taruguinho

O Nimbus é tido e havido como um dos melhores tênis _para alguns, o melhor_ de amortecimento disponíveis no mercado. Na mais recente versão do produto, porém, a Asics deu uma rateada em um pequeno detalhe, que pode virar uma enorme incomodação.

Na biqueira do Nimbus VIII (foto ao lado), o que era uma espécie de círculo machetado no Nimbus VII (abaixo, à direita) virou um pequeno cilindro, ficando em relevo na ponta do tênis.

Até aí, tudo bem. O problema é do lado de dentro, onde aquele relevo é repetido. Ou seja, fica um taruguinho lá, roçando nos seus dedos.

Quando vi o modelo novo em uma loja em San Francisco, e ainda por cima com preço promocional, quase fui tirando o cartão de crédito do bolso. Mas resolvi experimentar e foi decepcionante. Nem sequer dei aquele trotinho pela loja para ver se está tudo bem...

É bem verdade que nem todo mundo sente o problema. Consultei homens e mulheres que experimentaram o calçado e alguns nem notaram o que para mim foi um problemão. Deve ter algo a ver com a posição em que fica o pé, o tamanho dos dedos, sei lá... De qualquer forma, na opinião deste blogueiro, a tal saliência interna não deveria existir. É foco potencial de problemas.

Escrito por Rodolfo Lucena às 14h55

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Rodolfo Lucena Rodolfo Lucena, 54, é ultramaratonista e colunista do caderno "Equilíbrio" da Folha.

BUSCA NO BLOG


RSS

ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.